terça-feira, abril 28, 2009

Carta

Caríssimos, desejava muito voltar a falar acerca da nossa salvação comum revelada na carta aos romanos mas devido a tantas histórias que me chegaram esses dias sobre o modo de viver daqueles que dizem terem ouvido a mensagem da Graça me sinto obrigado a falar sobre a ética do Reino e o viver dos caminhantes no Caminho.
De fato, entre nós há várias pessoas que convertem em libertinagem a Graça do nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo. E embora muitos já tenham ouvido a mensagem do Reino, vejo se entregando a vícios contra a vida, profanam o próprio corpo, são levados pelos desvarios, desprezam a autoridade divina e ultrajam os mistérios da existência.
Gente assim fala da Graça que não conhece. Enveredaram pelo caminho de Caim; por ânsia de ter e sentir, precipitaram-se no extravio de Balaão e pereceram na rebelião de Coré. São nuvens sem água arrastadas pelos ventos; árvores de Outono sem fruto, duas vezes mortas e arrancadas pela raiz; ondas furiosas do mar a cuspir a espuma das suas desvergonhas; astros errantes, que habitam a mais tenebrosa escuridão. São uns murmuradores, queixosos da sua sorte, gente que vive ao sabor das suas paixões; da sua boca saem palavras pomposas, para adularem as pessoas, em vista do próprio interesse.

Por isso desejo lembrar-vos das coisas ensinadas pelo Nosso Senhor Jesus Cristo a fim de edifica-los no amor de Deus, esperando que a misericórdia de Nosso Senhor Jesus Cristo nos conceda a vida eterna.
A partir desta sexta-feira, dia 01 de maio de 2009, às 19hs, na estação do Caminho da Graça em Fortaleza, estarei expondo o Evangelho sobre o tema “A ética do Reino”.
Àquele que é poderoso para nos livrar das quedas e nos apresentar diante da sua glória, imaculados e cheios de alegria, ao Deus único, nosso Salvador, por meio de Jesus Cristo, Senhor nosso, seja dada a glória, a majestade, a soberania e o poder, antes de todos os tempos, agora e por todos os séculos. Amém.

Ivo Fernandes
28 de Abril de 2009

Sobre os falsos "eus" que são os "si mesmos"

Galera do Pai,

Tenho falado nas reuniões da Maraponga sobre o que cada um pensa ser.
E também sobre o que cada um é, de fato.
Que há diferença entre as duas coisas.
Que o Evangelho chama para o que somos e não para o que pensamos ser.
Que só o que passa pela tal porta estreita é o ser, só o ser. O que não é o ser não passa.
Que mais cedo ou mais tarde todo mundo vai ser apresentado ao próprio ser.
Algo do tipo: Filho, isso aqui é você e isso aqui não é você. Aqui só passa o que é. Vem comigo?
E é nessa hora que a justiça-própria dos irmãos do filho pródigo dirá: Não, não vou! Eu não sou só isso!

Segue em negrito uma fala do Caio sobre essas coisas.
Penso ser essa a condição de quem "sofre" do tais processos de revisão mental (arrependimento) e mudança de rumo (conversão).
Penso ser essa a condição de quem está no Caminho, na Verdade e na Vida.

"...é ter coragem para desembrulhar esse pacote de enganos de "eus" falsificados que são os "si mesmos" e não ter medo do que vai sobrar...porque se não sobrar nada você não perdeu nada!" (Caio Fábio)

Que entre na nossa corrente sanguínea

no Caminho que é uma pessoa

hugo

sábado, abril 18, 2009

Deus num aperto

"O próximo não é, de jeito nenhum, alguém que é mais distinto do que tu, pois amá-lo por ser ele mais distinto pode bem facilmente ser uma preferência, e nesse sentido amor de si mesmo. De maneira alguma o próximo é alguém que é mais humilde do que tu, pois amar alguém porque ele é mais pobre do que tu bem pode ser a condescendência da preferência, e nesse sentido amor de si mesmo. Enquanto tu amas o amado não te assemelhas a Deus, pois para Deus não há nenhuma predileção. Enquanto amas teu amigo não te assemelhas a Deus, pois para Deus não há diferenças. Mas quando amas ao próximo, aí tu és como Deus. Caso fosse uma vantagem amar o extraordinário, então Deus estaria, ouso dizer, num aperto, pois para ele o extraordinário não existe."

Kierkegaard em "As obras do amor"

com amor

hugo